23 novembro, 2009

GRÉMIO DA LAVOURA.
.


...................................................ADVERTÊNCIA.
.
A pequena colecção de objectos que constitui o « Museu » deste Grémio, carinhosamente reunidos no segundo andar do nosso edifício social, constitui a verdadeira documentação de alguns vestuários das nossas lavradeiras e da aparelhagem agrícola adoptada no nosso concelho nos tempos passados.
Procurou-se mostrar, também, como é a cozinha do nosso lavrador (sua sala de visitas) e o seu quarto de dormir que ali à sua rusticidade a beleza do seu conjunto de carácter religioso (santuário e quadro) e de ... superstição (figa).
Não teve este Grémio outra preocupação que não fosse a de reunir os elementos que deverão constituir os alicerces de um verdadeiro MUSEU ETNOGRÁFICO para o que no concelho não faltam valiosos elementos.
A Direcção deste organismo, ao inaugurar o que já se fez, não quer deixar de exprimir o seu reconhecimento ao Sr. Elísero Fernandes Pinto, criador da ideia - agora tornada realidade - a cujo serviço dedicou todo o seu entusiasmo, zelo e competência, e prestar homenagem à memória do Padre Agostinho Antunes de Azevedo que tanto a acarinhou.
Oxalá que os objectos expostos dêem o estímulo necessário a todos os lavradores para, com o seu concurso, podermos reunir objectos de maior valia.
.
É o que deseja
A DIRECÇÃO.
.
Vila do Conde , Setembro de 1947.
.
NOTA - Na primeira fotografia , verão fácilmente a palavra "Lavoura", e na segunda no enfiamento dos jardins centrais, identificarão melhor o edifício do Grémio.
Ainda na primeira fotografia, e do outro lado da rua , vê-se que ali existia uma alfaitaria com o nome "ALFAITARIA AMÂNDIO (FILHO) , e junto uma "CASA DE COMIDAS" , que certamente daria origem ao "CANTINHO".




3 comentários:

Anónimo disse...

A pretexto daquela saudosa e Centenária Ponte da Doca, que se ve na segunda fotografia, e porque ontem teve lugar na Igreja Matriz uma missa de sufrágio para assinalar o Iº Aniversário do Falecimento de António Monteiro dos Santos, ex-Marinheiro da Armada, escritor e poeta local, acérrimo defensor do Património da nossa Terra, permitimo-nos catapultar para este Carioca da Vila, o Poema que sua viúva, então fez questão de nos entregar
pessoalmente.

O MEU NOME
O meu nome cheira a docas,
O meu nome cheira a cais,
De partida e de chegada.
Filho de um mar de gaivotas,
Colhidas nos vendavais.
O meu nome é maresia,
O meu nome é mar salgado,
É filho da alegria,
O meu nome é sem pecado.
É filho de um mar chão,
E também de um mar bravio,
Que trago na minha mão.
O meu nome é desafio,
O meu nome cheira a docas,
O meu nome cheira a cais,
Marujos em mastros reais,
No tempo das caravelas,
Filho do Sol, da chuva, do vento,
Tenho-o escrito nas velas
Desta Nau do Pensamento,
O meu nome é panamá,
Corpete, manta de seda,
Farda branca, imaculada,
É jersey e é alcaxa,
Farda de azul-escuro,
É estoico, é lutador.
Nos lábios sempre uma trova,
No coração um amor.
Desta doçura não fujo,
meu nome é DÁRIO MARUJO

Descansa em paz, "filho da escola"

a) cereja

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,

Unknown disse...

Eu neta desse poeta Dario Marujo Francisca Da Costa Santos epsero consehuor um pequeno dom do meu avô