23 julho, 2009

A FORÇA DO OLHAR.
.

Numa troca de correspondência com o António Fangueiro, caxineiro , como ele gosta de ser chamado, ele enviou-me este texto, e mesmo sem a sua permissão, não posso deixar de aqui o publicar :

.

O fascínio do mar está em parte precisamente na forma como molda o homem que dele vive. Pode não saber ler nem escrever, nem ter "muita escola", mas podem encantar-nos com as suas expressões e modo de falar e isso para mim é mais importante que um Curso Superior. Embora, estranhamente, ninguém olhe para o pescador deste modo, o pescador é "apenas" um caçador de peixe. Não é a conhecida caça de mato ou floresta, mas sim na água, dentro de barcos. Isto faz com que tenha uma cultura própria, muitas vezes chocando com outras e já li que é esta a razão porque os filhos de pescadores não gostam de escola e estudos. A sua cultura não é a de aprender sentados, mas sim com um mentor e por experiência, e por isso queriam sempre era ir para o mar aos 10 ou 11 anos. É também o factor "liberdade" do horizonte marítimo e a expectativa diária de quanto peixe e que tipo de peixe vai vir na linha ou redes. É como que a expectativa da lotaria e isto faz o pescador "sonhar" constantemente com o mar.Enfim, esta seria uma bela conversa de análise ao que é um pescador e a importância que tem para uma sociedade, que cada vez mais devota tudo às máquinas e perde o contacto real com a simplicidade desta vida da pesca.Devidamente organizado (e remunerado), ser pescador será por certo uma das melhores profissões do mundo para o espírito de um homem.

8 comentários:

caxineiro atento disse...

Pois é, mas para uma terra de pescadores como a nossa, aonde está o museu do mar? Sim, o presidente da câmara pôs a primeira pedra por trás do posto dos guardas a alguns anos, mas em vez do museu ser construído ainda puseram o posto da guarda fiscal a baixo. E o Farol do aguilhão?! O projecto polis não contemplou verba para a sua recuperação? Ah, já me esquecia que é nas Caxinas. E os outros faróis que deixaram de existir?! Ah, é o progresso...E o salva-vidas nas Caxinas?!Terra de pescadores?! Quem vem de fora para nos visitar questiona-se aonde fica essa terra de pescadores, pois nada o mostra...

Afonso Henriques disse...

ele acena-vos com o cargo de presidente da junta, vocês mordem o anzol e votam em força no homem mantendo-o no poleiro há décadas. uma das consequência é haver uma descaracterização. os caxineiros já estão espalhados pela vila e por outras freguesias e nas caxinas não moram só caxineiros, muita gente procura-a para morar porque os preços são mais baixos. a memória está a ir-se mas a que preço? (agora até colocaram paineis com fotografias antigas para não esquecerem, mas basta isso?)
estas e outras questões devem ser colocadas aos eusébios e aos postigas desta terra (mas terra com muitos lugares) ou a vocês próprios. valerá a pena vender a alma a troco de uma junta? mas este não é um problema só das caxinas.
viva o Magnânimo.

fangueiro.antonio disse...

Boas meus senhores.

Não posso estar mais de acordo com o que escrevem.
Os problemas são vários, mas a mais pura verdade é que são os votos dos caxineiros que há décadas mantêm as mesmas pessoas no poder, a troco de umas canetas, t-shirts, 4 beijos e apertos de mão. A cultura piscatória (tradicional) da comunidade quase não se nota e os referidos "ícones" do passado estão apagados, à espera do "Messias". Fiquei muito contente por ver as grandes fotos colocadas junto à praia, mas não passa de um início. Há muito mais para além daquilo e tenho a certeza que nos cabe a nós, filhos dos pescadores, tratar de reavivar a nossa cultura, pois os nossos pais e avós são de um tempo de horizontes "mais curtos". Nós, temos o poder, o saber e as ferramentas (esta é uma delas) para pôr mãos à obra.
Há meses atrás, perguntei ao meu pai, de 61 anos, se gostaria de ter uma catraia pequena, igual àquela onde começou a pescar com o seu avô aos 11 anos. Ele olhou para mim... e num momento de silêncio, os olhos brilharam meio incrédulos, como que contente com tão inesperada pergunta, e respondendo à perfeita maneira do pescador, quase sonhando... mas encolhendo os ombros: "Atão num gostava!"
Quantos dos nossos pais falam que gostariam de voltar a ver catraias na praia da Caxina? E se falam, estão à espera que seja o presidente a fazê-las?
Como disse, sejamos nós a mostrar aos nossos pais (e aos "politiqueiros") como se dá vida ao nosso passado.
A geração anterior (e na verdade muita da nossa), julga que a cultura do pescador é "estúpida" e ninguém se interessa por isso, mas basta um par de associações a trabalhar bem (pois nada cai do céu) para começar a "ensinar" a fantástica cultura que temos... e depois... até põem a prancha de surf à venda, pois possuir um barco tradicional à vela igual ao do avô, saber manobrá-lo e competir com os dos amigos ao fim-de-semana até é mais "cool" que uma prancha debaixo do braço. É apenas um exemplo, meus senhores. Depois, à volta de um barco giram muito mais coisas, pois ele é a razão de ser de um pescador e sua cultura. Sem barco, não há pescador.

Atentamente,
www.caxinas-a-freguesia.blogs.sapo.pt

fangueiro.antonio disse...

Olá de novo.

Sobre tudo o que temos vindo a escrever... eis alguma da Mestria Galega. Não sabemos fazer igual?

http://www.culturamaritima.org

Atentamente,
www.caxinas-a-freguesia.blogs.sapo.pt

Anónimo disse...

Congratulando-me com o facto de me aperceber, de que aqui e além, para além das Caxinas e Poça da Barca, começa a surgir alguém com um pouco mais de descernimento, que se vai apercebendo da malfadada teia em que as gentes destas localidades, tem sido enleada. E, praticamente, a troco de nada...
Ainda agora, talvez porque temos «eleições à vista» colaram no "Cartodromo" grandes fotos de gente da Caxinas, que até não estaria nada mal, se, não houvesse um enorme senão.
Tal como então dizia o meu Prof. de Português, o saudoso Dr. Renato Cardeal:
Por vezes, há cenários muito bonitos, que tapam coisas muito feias...
Desta feita, não se trata daquele
nauseabundo Esgoto a céu aberto que descarrega para as nossas Praias de Caxinas e Poça da Barca.

Trata-se, isso sim, daquela visita que um dia o então Ministro do Mar
Com. Azevedo Soares fez ao extinto
MUSEU DO MAR, que fundado pelo saudoso A.Vilacova e seu irmão José, existia na Rua cidade de Guimarães (frente à Escola), que
culminaria com uma visita do Senhor Ministro do Mar, junto ao
mar, onde procedeu à cerimónia do lançamento da Primeira Pedra,
daquele que então seria o futuro e grandioso MUSEU DO MAR da nossa Terra.
Precisamente no local onde está o
tal "cartodromo"...
Entretanto, mudaram-se os tempos,
mudaram-se as vontades.
Talvez, opções culturais,
à Tenreiro, e outros que tais...

a) Cereja

Anónimo disse...

Acho que o Carioca não merecia estes comentários.
Mas, enfim, apesar de todos termos nascido nesta linda terra, alguns não herdaram beleza nenhuma dentro da cabeça.

Anónimo disse...

E se calhar tu tens uns belos enfeites na tua cabeça...

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,