12 dezembro, 2006

Sonia e Robert Delaunay

OS DELAUNAY E A POESIA
Visitei hoje “La Simultanée”, a casa de praia em Vila do Conde onde Sonia e Robert Delaunay viveram com Eduardo Vianna (1881-1967) e o americano Sam Halpert durante cerca de dois anos, de 1915 a 1917, e a partir de onde se corresponderam com poetas e pintores portugueses como José de Almada-Negreiros (1893-1970) e Amadeo de Souza-Cardoso (1887-1918), entre outros...
A relacção dos Delaunay com a poesia sempre foi estreita. Um exemplo: em 1906, com 21 anos, Robert Delaunay (1885-1941) apresentou no Salon des Indépendants de Paris, as obras que havia pintado no verão anterior na Bretanha. Foi esse o gatilho para a amizade que veio a desenvolver com o pintor e aduaneiro Henri Rousseau (1844-1910). Embora Rousseau não tenha sido um dos pintores cuja obra maior influência veio a exercer sobre Robert - ao contrário de Cézanne, por exemplo - os dois franceses encetaram desde cedo uma duradoira e profunda amizade que só a morte de Rousseau viria a talhar, no outono de 1910.
Por essa altura, já Guillaume Appolinaire era intimo do casal Delaunay. Jorge Sousa Braga traduziu em “O Século das Nuvens” (Fenda, 1989), o epitáfio que Appolinaire escreveu como última homenagem a Henri Rousseau: